Banda Lyra Curitibana

banda-lyra

Fundada em 01 de junho de 1982, a Banda Lyra Curitibana é responsável pela animação musical dos principais eventos públicos da cidade. O grupo interpreta música erudita, samba, trilhas musicais, mambos, marchas e hinos.

Formada inicialmente por 18 músicos que integravam o Circo da Cidade, da Fundação Cultural a banda conta atualmente conta com 28 integrantes que fazem uma média de 160 apresentações por ano. Regidos pelo maestro Lourival Ferreira, os músicos tocam instrumentos de sopro e percussão. O repertório é variado, composto por mais de 400 músicas. A banda já fez mais de 5.241 apresentações públicas.

A banda tem um CD gravado e se prepara para gravar um segundo. “Uma das curiosidades no CD já gravado é o Hino Nacional Brasileiro executado como os brasileiros o cantavam no início do século XIX, precedido de um introito pouco conhecido e cantado pelos membros da banda”, diz o regente da Banda Lyra, Lourival Ferreira.

A Banda Lyra participa das comemorações oficiais da cidade, como inaugurações, lançamentos de programas e ações voltadas à população levando música e alegria. Também atende pedidos diversos de outras instituições, mediante agendamento prévio e contratação. O clartinetista João William é o mais novo músico da Banda Lyra, enquanto o saxofonista Dalmir Dusi é o decano do grupo. Depois de tocar durante 25 anos na banda da Polícia Militar do Paraná, Dusi foi um dos fundadores da Banda Lyra, e participa dos ensaios regulares na sede da instituição, na Fazendinha.

Desde a fundação até hoje, a banda teve nove regentes. Henrique Laites, o pioneiro e já falecido, foi seguido por Antônio Manoel Alves. Depois vieram Darcy Pereira de Moura, Eliazar Moreira dos Santos, Sebastião Mateus Filardo e Aurídio Floriano Aguiar. Atualmente, a batuta da banda está como regente Lourival Ferreira.

Lembranças – O percussionista, Isaltino Cruz lembra os primeiros anos da Banda Lyra, quando as apresentações, em sua maioria durante eventos promovidos pela Fundação Cultural de Curitiba, eram uma novidade e atraíam o público nos mais diferentes locais, no centro e nos bairros. Dalmir Dusi volta ainda mais no tempo e recorda os tempos de músico na Polícia Militar, quando eram comuns as retretas, executadas nos coretos que as pequenas cidades construíam na praça central.

“Além de completar 50 anos de música, completo também 50 anos de casamento”, diz Dusi. Ele conta que durante os anos 1950 e no início da década seguinte, ser músico era ter prestígio no meio social. Opinião também compartilhada por Estevão Inácio Halama, que toca instrumentos de sopro na banda.

Presidente: Ciro Bello


PATROCINADORES